Opinião

O que se pode esperar da eleição de 2020 em Castelo do Piauí

A atividade política é algo que não cessa em tempo algum, nem mesmo em um período imediato ao término de uma eleição, aliás, no Brasil se faz uma eleição já pensando em outra. Diante disso é natural que muitas articulações estejam acontecendo com vistas à eleição municipal que ocorrerá daqui a dois anos.

Política em Castelo do Piauí, até um tempo atrás era algo totalmente previsível. O grupo detentor do poder se alternou em dois nomes de 1982 até 2004, o tão famoso “De Zé pra João”, somente em 2008, com a eleição de Wilmar Cardoso, esse quadro se alterou. Mas previsível também não era só os nomes, o resultado também. A oposição por muito tempo lançou candidato pela formalidade de concorrer e manter um grupo de resistência, mas sem pretensões de vitória. Somente em 2004 foi que a oposição conseguiu disputar com chances de vitória, alcançada finalmente em 2016.

Prefeito Magno Soares no dia da diplomação entre o vice-prefeito Daniel Machado e o suplente de deputado estadual João de Deus 

Para as eleições de 2020 o quadro não é tão definido, embora seja claro que o atual prefeito irá buscar a reeleição e que o grupo liderado pelo ex-prefeito Zé Maia irá lançar um nome para tentar voltar ao poder. Nesse quadro hipotético de uma eleição polarizada entre esses dois grupos, o favoritismo é do atual prefeito, embora não tenha se preocupado muito com aliados, tendo governado praticamente com o seu partido, o prefeito conseguiu alcançar um bom resultado na eleição geral de 2018, mesmo um pouco aquém do esperado. Somado a isso, o fato de ser o detentor do poder o coloca em situação favorável. O grupo oposicionista ainda não projetou um nome para ser trabalhado para a disputa e ainda se apega aos dois ex-prefeitos: Zé Maia e Wilmar Cardoso. É bem verdade que os vereadores Neirane e  Rossi podem ter interesse em encabeçar uma chapa oposicionista, mas dificilmente teriam o apoio de todo o grupo.

Nas extremidades dois ex-prefeitos de Castelo do Piauí, Zé Maia e Wilmar Cardoso e os candidatos na eleição de 2016, Marcelo Maia e Leonardo Cardoso

Não se pode descartar um pleito com mais de duas candidaturas competitivas, embora Castelo não tenha essa tradição de pulverização de candidaturas, os últimos pleitos foram de eleições fortemente polarizadas, mesmo com a candidatura de terceira via do Dr. Jesus em 2012. Bancar uma candidatura alternativa viável não é uma missão fácil, mas é possível que a próxima eleição caminhe pra isso, um quadro de mais de duas candidaturas com chances de vitória.

Neirane Carvalho e Jadeilson Pereira, dois vereadores que podem trocar o legislativo pelo executivo 

Com as novas regras de eleição proporcional a configuração partidária atual, bastante fragmentada, pode dar lugar a partidos fortes, como comentado AQUI . É provável que um partido abrigue lideranças de diversos outros partidos, hoje a chance do Progressista se tornar uma grande força política no município é grande, principalmente pelos deputados do partido que foram eleitos e são apoiados no município, como Júlio Arcoverde, Wilson Brandão e Firmino Paulo, tanto pela perspectiva de crescimento da sigla em todo estado, como parte de um projeto de encabeçar uma candidatura ao governo em 2020.

O Progressista pode ter nos seus quadros lideranças expressivas como Raimundinho Mineiro, Anísio Pato, Anderson Lima e possivelmente Jadeilson Pereira e até o vice-prefeito Daniel Machado. Se for possível aglutinar todas essas lideranças e nomes novos com interesse de disputar uma cadeira no legislativo, pode nascer um partido mais forte até que PT e PSD. Esse partido poderia lançar um candidato próprio para fortalecer a chapa de vereadores e com boas chances de um resultado positivo para prefeito. Embora essas lideranças citadas façam parte do grupo de apoio ao prefeito, em política 0,1% de chance é muita coisa.

O empresário Osmano Moura e o vereador Raimundinho Mineiro podem abraçar o projeto de uma candidatura alternativa 

Entre nomes com condição de abraçar uma candidatura majoritária alternativa podemos citar o atual presidente da Câmara de Vereadores, Jadeilson Pereira, o vereador licenciado Raimundinho Mineiro e até mesmo um nome novo na política, como o empresário Osmano Moura.

Osmano nunca declarou a pretensão de ser candidato, mas mantém uma relação muito próxima com diversos políticos da cidade, além de ser muito presente em praticamente todos os eventos de grande porte que acontecem no município. O empresário sempre demonstrou seu apreço com a cidade de Castelo do Piauí, mesmo sendo bem sucedido em São Paulo, não deixou de lado sua raiz castelense.

Final de ano é tempo de confraternização e o tema política deve ser bem abordado durante todos os encontros que envolvam políticos e se alguém quiser se projetar como candidato viável para o cargo de prefeito em 2020 o momento ideal para as articulações será agora, pois construir uma candidatura fora dos dois grupos existentes é algo que exige tempo e muita conversa. Quem sabe 2019 se inicie com novos movimentos nesse sentido.

 

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. Caio Henrique disse:

    Realmente as eleições em Castelo do Piauí são imprevisíveis. De um lado, temos um prefeito que de certa forma não correspondeu até o momento com as expectativas nele depositadas, desagradando inclusive aliados da campanha eleitoral. De outro, temos um Grupo oposicionista que além de estar desestruturado, carrega consigo um desgaste do tempo no poder e estagnação administrativa. E como bem falado na matéria, as mudanças nas porporcionais serão realmente um grande ponto nesse próximo pleito municipal. Existe um cenário de certa forma propício para uma 3ª via, que não é algo fácil de montar, mas resta saber se algum dos nomes postos terá a coragem de se lançar.