Opinião

Os dilemas do PSB castelense e as perspectivas de futuro

O segundo partido que mais obteve votos para vereador no pleito municipal de 2016 em Castelo do Piauí, o PSB, tem muitas questões para resolver se quiser manter essa posição de destaque ou até mesmo superá-la, se tornando protagonista no cenário eleitoral em 2020.

Uma missão que deve ser encarada é a de buscar manter nomes de peso na sigla, como o presidente da Câmara Municipal, Jadeilson Pereira, que não votou para deputado estadual no mesmo candidato que a maioria dos seus correligionários, assim como atrair novas lideranças com interesse de disputar cargos eletivos na próxima eleição, daqui a dois anos.

Dentro dessa perspectiva, o PSB não poderá contar com a estrutura do partido a nível estadual, tendo em vista a derrota eleitoral sofrida em 2018, não elegendo o senador Wilson Martins, tendo conseguido somente uma vaga no parlamento estadual e tendo diminuído a bancada federal de três para apenas um deputado federal, o reeleito Átila Lira. 

O vereador Raimundinho Mineiro disse que o partido para crescer no município não depende do diretório estadual, mas sim da elaboração de uma estratégia de crescimento local que está sendo trabalhada, mas afirmou que mesmo assim conta com o apoio do deputado estadual Wilson Brandão (PP) e do deputado federal Átila Lira (PSB).

Mas o grande dilema do PSB é decidir se continua um partido caudatário dentro do grupo que atualmente administra o município ou se lança num vôo maior, encabeçando uma chapa majoritária. Talvez nessa decisão, o partido esteja atualmente dividido, até por que de certa forma faz parte da gestão com um secretário, o vereador Raimundinho Mineiro e alguns cargos secundários. 

Prevalecendo a tese de candidatura própria, o outro dilema seria decidir que nome do partido poderia encarar a disputa. O PSB tem três nomes que poderiam disputar o cargo de prefeito em 2020, que é o do empresário Osmano Moura, o próprio Raimundinho Mineiro ou ainda o vereador Jadeilson.

Osmano disse que se acontecer de forma natural a escolha do seu nome, está disposto a encarar o desafio. Ele afirmou que não pretende forçar nada, mas que como qualquer cidadão castelense, tem o desejo de poder contribuir com seu município e exercendo o cargo de prefeito seria uma dessas formas. Para o empresário o caminho é mais fácil, pois ele não tem um alinhamento com o prefeito Magno, que deverá disputar a reeleição, como tem os vereadores Raimundinho, atualmente secretário municipal e Jadeilson, atual presidente do legislativo municipal. 

Raimundinho Mineiro tem muitos aliados próximos que defendem o rompimento com o prefeito e  o seu retorno para a Câmara fortalecendo a oposição, mas ele não admite de forma clara essa possibilidade, mas caso isso aconteça, ele poderia buscar o fortalecimento do seu nome, afinal de contas é um bom estrategista e compreende como poucos o jogo político. 

Jadeilson disse que se sente bem ao saber que seu nome é lembrado, isso demonstra que ele tem desempenhado um bom trabalho nesses dois mandatos como vereador, mas que diferente de uma candidatura proporcional, uma candidatura majoritária não pertenceria somente a ele e ainda não trabalhou essa possibilidade, até para ter noção do seu potencial. 

Deixando a base do prefeito é natural que o partido busque o diálogo com a atual oposição. O PSB, pela estrutura que tem, com certeza representa o papel de uma noiva bastante cobiçada e pode sem sombra de dúvida ser o fiel da balança.

O ano de 2019 será um ano de decisões importantes para o partido e muita coisa tem que ser colocada para a melhor tomada de decisão. Questões como a situação do partido dentro da atual gestão, as arestas criadas no passado com o grupo que hoje é oposição, a estrutura de campanha que o partido pode ter, entre outros pontos, devem ser discutidas internamente de forma ampla, até dirimir todas as dúvidas sobre o rumo que o partido deve tomar.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

1 Comentário

  1. R.Bezerra disse:

    Mais uma vez tenho que tirar o chapéu ao professor Neto, pelo belíssimo trabalho,um texto limpo,objetivo de uma visão política admirável e sem paixões,parabéns professor.