Opinião

Partidos precisam estar preparados para as novas regras eleitorais

As eleições de 2020 terão novas regras para as eleições proporcionais e com novas regras as estratégias mudam totalmente. Até a eleição passada, quando partidos podiam realizar coligações, os candidatos buscavam realizar os agrupamentos da forma que melhor favorecessem sua eleição, sem levar muito em conta a afinidade ideológica entre as agremiações, porém agora isso não será mais possível e cada partido sairá sozinho, mas afinal de contas, quem está preparado pra essa nova realidade em Castelo do Piauí?

Para mim, a resposta é que só o Partido dos Trabalhadores (PT) e o Partido Socialista Brasileiro (PSB) estão preparados para enfrentar a disputa com chances de elegerem um bom número de parlamentares, sendo que o último ainda tem algumas pendências que o atrapalham.

O PT tem condições de lançar tranquilamente dez nomes para a disputa, podendo alcançar algo em torno de três mil votos o que garantiria três cadeiras, além de ser o partido do prefeito Magno Soares, pelo menos por enquanto, pois a probabilidade de mudança de partido do gestor existe e não é pequena. O PSB, apesar de definhar em nível estadual, é um partido bem consolidado no município e também tem condições de lançar um bom número de candidatos, mas como disse anteriormente, tem algumas pendências, entre elas a maior é saber se o presidente da Câmara de Vereadores, Jadeilson Pereira, permanece no partido, outra é se os seus membros não saem para compor outra sigla, uma vez que o partido desidratou muito a nível estadual, só conta com um deputado estadual e um federal e deverá perder os dois.

No lado da oposição, que hoje conta com quatro vereadores, Milton Maia, Nilso Feitosa, Neirane Carvalho e Rossi Melo, apenas o PSD tem dois vereadores, Milton e Nilso. Neirane é do PSDB e Rossi, que é pré candidato a prefeito é do PR. A chance desse grupo eleger uma boa bancada é se agruparem todos em uma única sigla. O MDB e o PTB não lançaram candidatos na última eleição e não têm demonstrado movimentação no sentido de ampliarem seus quadros.

Existe ainda dois grupos que podem se tornar dois partidos grandes, ou até mesmo um só. Seria um grupo de candidatos mais próximos ao prefeito Magno, que poderiam compor a mesma sigla para qual ele migrar e ainda um grupo que pode reunir nomes como Anderson Lima, Daniel Machado, Anísio Pato, Marcelo Mineiro, entre outros nomes, que podem ir para o Progressistas ou outra sigla, assim como migrarem para um dos partidos já estruturados.

Essa será uma eleição onde já se pode definir o êxito eleitoral no primeiro passo, que é a escolha do partido e uma escolha errada pode comprometer todo um trabalho prévio na busca por um assento no parlamento municipal.

Sobre o autor | Website

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!